Jornal da Unicamp – Livro questiona ‘atraso’ da sociedade imperial

http://www.unicamp.br/unicamp/ju/567/livro-questiona-atraso-da-sociedade-imperial

Campinas, 01 de julho de 2013 a 28 de julho de 2013 – ANO 2013 – Nº 567

Livro questiona ‘atraso’ da sociedade imperial


“Monarquia, Liberalismo e Negócios no Brasil: 1780-1860” é um livro que questiona a tese do “atraso” da sociedade imperial devido a uma herança colonial retrógrada que impossibilitou por muito tempo o desenvolvimento de uma efetiva comunidade de cidadãos; da importação artificial de ideias e práticas europeias; e da concepção do Império como um período desprovido de perfil próprio. Trata-se de uma coletânea de artigos organizada pelas professoras Izabel Andrade Marson, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, e Cecília Helena Salles de Oliveira, do Museu Paulista e do Departamento de História da USP. O lançamento é da Edusp. Izabel Marson, nesta entrevista concedida por e-mail, oferece uma boa noção sobre o conteúdo do livro.

Jornal da Unicamp – O que motivou essa reunião de artigos sobre “monarquia, liberalismo e negócios no Brasil” e por que o período demarcado, de 1780 a 1860?

Izabel Marson – Foi o propósito de divulgar pesquisas, realizadas nos Programas de Pós-Graduação em História da Unicamp e da USP, que reinterpretaram configurações cristalizadas sobre a sociedade imperial, acompanhando a revisão historiográfica realizada em universidades estrangeiras e brasileiras desde a década de 1980, a qual alargou sobremaneira o entendimento do político e de suas manifestações no século XIX. Dessa forma, os trabalhos reunidos na coletânea demonstram os sensíveis vínculos entre os princípios e práticas do regime monárquico constitucional aqui vivenciado com o liberalismo, com os interesses dos mercados locais e internacional e com a escravidão em diferentes circunstâncias do movimento histórico que constituiu o estado nacional no Brasil. Foram preparados, em sua maioria, por ex-alunos dos referidos programas, e originalmente integraram teses que tiveram respaldo financeiro de agências públicas (CNPq, Capes e Fapesp) e se destacaram por sua contribuição para a história política do Império.

A periodização diz respeito à especialidade dos estudos das organizadoras, e reverbera marcos das pesquisas que têm orientado. Enquanto a professora Cecília de Salles Oliveira [docente do Museu Paulista e do Departamento de História da USP] especializou-se em temas relacionados às conjunturas que precederam e consolidaram a independência (1780-1831), venho investigando as práticas liberais de diverso teor vivenciadas no Império, e figuras políticas de projeção no período de afirmação da Monarquia no Brasil (1840-1860).

JU – Na apresentação são destacadas três assertivas da tradição historiográfica sobre o Império: a herança colonial que impossibilitou por muito tempo o desenvolvimento de uma efetiva comunidade de cidadãos, a importação artificial de ideias e práticas europeias, e a concepção do Império como um período desprovido de perfil próprio. Gostaria de um comentário a respeito e, também, sobre as novas leituras surgidas a partir dos anos 80. Em que medida elas se contrapõem à historiografia tradicional?


Izabel Marson
 – Fundamentadas em exaustiva exploração de fontes primárias e orientações teóricas que se constituíram na segunda metade do século XX na esteira da crise dos paradigmas liberais e dos marxismos, dentre outros, Edward P. Thompson, Hannah Arendt, Claude Lefort, Pierre Rosanvallon, Quentin Skinner, estudos realizados no Brasil e em outros países (re)avaliaram o império do “econômico” sobre as práticas e escolhas políticas e a cesura entre as ideias, os imaginários e as realizações sociais, referências que problematizaram uma leitura da história fundada em esquemas explicativos binários – dominantes versus dominados – e reconheceram a importância da cultura e das iniciativas dos homens e de variados grupos no percurso das sociedades modernas.

No que diz respeito à história política do Império, ela foi (re)avaliada do ponto de vista de sua cultura, da formação da opinião pública, da constituição de projetos políticos, da atuação dos estadistas e dos grupos sociais e das relações da sociedade imperial com a escravidão.

A iniciativa questionou referências consagradas – sobretudo a ideia de reiteração de uma herança colonial impeditiva de mudanças, a importação artificial de ideias e práticas políticas europeias e a concepção de que o Império constituiu tão somente um período sem perfil próprio, referências assentadas no paradigma “Antigo Regime, feudalismo, latifúndio, servidão, escravidão”, que perdurou por décadas.

Problematizou-se particularmente o descompasso temporal entre as vivências americanas e europeias, bem como o comportamento “imitativo” e desvinculado da realidade brasileira praticado por políticos e intelectuais que dominavam a política imperial. Foi reavaliada, também, a incompatibilidade entre liberalismo e escravidão, investigando-se em maior profundidade a vivência do cativeiro e o desempenho dos homens livres de posses medianas na sustentação da monarquia. Em suma, os textos desta coletânea interrogam a tese do “atraso” da sociedade imperial; o inacabamento e intangibilidade da nação brasileira no século XIX; assim como sua incapacidade para a realização de pacto monárquico representativo da vontade e objetivos, materiais e políticos, não raro divergentes, de cidadãos de diverso perfil que, acompanhando congêneres norte-americanos e europeus, disputaram a primazia de gerenciar seus interesses no âmbito da sociedade e do Estado.

JU – Pode discorrer um pouco sobre a presença da política nas práticas mercantis e em outras atividades cotidianas daquele período?

Izabel Marson – Tendo por premissa que princípios liberais orientaram e estruturaram as relações vigentes na sociedade imperial desde o contexto da independência, nela exteriorizando-se de múltiplas formas – constituindo ali, portanto, estreito vínculo entre propriedade, mercado, monarquia constitucional e cidadania – os textos do livro flagram os laços originários entre política e negócios em variadas circunstâncias, e em desempenhos individuais, tanto em ambientes públicos quanto privados, desde a crise do Antigo Regime até a década de 1860.

Estão organizados em duas partes. A primeira diz respeito ao período entre 1780 e 1830, e acompanha mudanças nos comportamentos e nas práticas políticas que viabilizaram a Independência e problematizaram o primeiro Reinado. Ana Paula Medicci revela como o trato das arrematações dos impostos reais em São Paulo no final do século XVIII consolidava a parceria entre os “principais da terra” e os administradores coloniais no apoio ao império português, e quais os ganhos dos súditos paulistas com a fixação da Corte no Brasil. Emílio Lopez esclarece como os preparativos e festejos públicos da aclamação de D. João VI (re)afirmaram os contatos entre os comerciantes da Corte e o soberano, e fortaleceram a fundação do império português na América. Cecília de Salles Oliveira expõe a movimentação dos vários grupos políticos no sangrento confronto entre as tropas reais e representantes da sociedade do Rio de Janeiro ocorrido em 21 de abril de 1821 na “Praça do Comércio”, lugar emblemático do mercado (e de agilização da propriedade – alicerce da cidadania) que, sintomaticamente, abrigou a primeira Assembleia de cidadãos da Corte para decidir, à revelia do governo joanino, sobre o retorno do rei a Portugal, a adesão à Constituição portuguesa e a escolha da Representação provincial às Cortes de Lisboa.

Vera Bittencourt aborda as articulações de bastidores de grandes proprietários, negociantes de grosso trato, membros da alta burocracia e militares, visando organizar nas províncias do Rio de Janeiro, Minas e S. Paulo uma teia de sustentação política, econômica, militar e territorial, à permanência de D. Pedro no Brasil e à Independência. João Eduardo Scanavini analisa argumentos e manobras políticas ocorridas nos debates da Câmara de 1827 que, simultaneamente, problematizaram a ratificação do tratado de 1826 firmado por Pedro I com a Inglaterra, no qual se estipulou um prazo para extinção do tráfico de cativos; questionaram os modos de governo do Imperador e pretenderam garantir interesses de membros da casa envolvidos direta ou indiretamente com o comércio de africanos para o Brasil.


JU
 – E quais são os temas que compõem a segunda parte do livro?

Izabel Marson – Ela foca circunstâncias e procedimentos que, de uma forma ou de outra, colaboraram com a (re)afirmação da monarquia no Brasil. Analisando a fala de políticos de destaque – Feijó, Vasconcelos, Justiniano José da Rocha, João Francisco Lisboa, dentre outros – Erik Hörner avalia o quanto os princípios do liberalismo e do mercado, em especial o individualismo, a livre competição e os interesses imediatos, reverberaram nos acertos políticos informais e articulações partidárias dos grupos políticos – restauradores, exaltados moderados e regressistas – nas décadas de 1830 e 1840.

Buscando entender as razões da Revolução Praieira, demonstro como a competição pelos cargos de poder e pelas compensadoras contratações oferecidos pela Repartição de Obras Públicas de Pernambuco e outros órgãos do governo – disputadas por grandes negociantes e cidadãos de posses medianas – dividiu a província em dois grandes blocos partidários, levando-os à dolorosa guerra civil de 1848 que, vencida pelos conservadores, firmou o partido no governo por 14 anos. No campo das biografias políticas, Maria Cristina Nunes Ferreira Neto analisa a trajetória pessoal e pública de Teófilo Ottoni, líder da revolução liberal de 1842 em Minas e figura destacada no mundo dos negócios provinciais e da Corte, para explicar como, apesar de excluído do Parlamento, o líder liberal usufruiu da política de Conciliação estabelecida pelo conservador marquês de Paraná, e implementou a Companhia do Mucuri, projeto voltado para a agricultura comercial, vias de comunicação terrestres e fluviais e a fixação de colonos estrangeiros no nordeste de Minas Gerais.

Por fim, Eide de Azevedo Abreu investiga algumas razões do fracasso da Liga Progressista desvendando compromissos políticos e empresariais de Aureliano Cândido Tavares Bastos, particularmente seu envolvimento com uma proposta de subvenção a uma companhia de navegação norte-americana que estabeleceria uma linha com barcos a vapor entre o Rio de Janeiro e Nova York, visando incentivar a vinda de imigrantes americanos.

 

 

SERVIÇO

Obra: Monarquia, Liberalismo e Negócios no Brasil: 1780-1860
Autoras: Izabel Andrade Marson & Cecília Helena Salles de Oliveira
Número de páginas: 348
Editora: Edusp

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.