Os 80 anos do Cristo-Redentor e a Festa de Nossa Senhora da Conceição Aparecida

Encaminhamos aos associados e amigos o artigo de nosso Sócio Honorário, o Senhor Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, sobre o aniversário do Cristo Redentor.

Finalmente a arquidiocese carioca divulga a informação correta sobre o início do processo de idealização do Cristo Redentor, nos anos 1880. Uma vitória das pesquisas e dos trabalhos de nosso Instituto!

Segue também o importante artigo sobre a Padroeira do Brasil, de cujo culto foi Dona Isabel uma das principais propulsoras.

Abraços gerais.

Bruno de Cerqueira

Gestor

www.idisabel.org.br

www.protokollon.com.br

www.memorio.com.br

https://idisabel.wordpress.com

(21) 9531-2591


Brasil: os 80 anos do Cristo Redentor
Reflexão de Dom Orani João Tempesta

RIO DE JANEIRO, terça-feira, 11 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – O homem é um ser simbólico, assim, nenhuma dimensão de sua vida pode fugir a essa regra ou correrá o risco de perder o sentido. Também na dimensão da fé somos seres simbólicos. Simbolizamos o nosso crer através de diversos elementos que, no seu sentido profundo, nos despertam para o que nos supera e transcende.

O Brasil, esta nação “abençoada por Deus”, carrega gravado no coração a força inequívoca de muitos símbolos que manifestam o coração, a alma, a vida e esperança de nossa gente. Se alguns insistem em pelejar pela extinção de nossos símbolos com a pretensa falaciosa afirmação de que o estado é laico, nós não apenas afirmamos que, de fato, o é, mas a nação, que precede o estado e dá o sentido de sua existência, essa não é laica: é religiosa, e mais, é cristã e, sobretudo, fundada sob a égide da fé católica.

Assim, o monumento a Nosso Senhor Jesus Cristo Redentor, na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, evoca aquilo que a nação brasileira possui de mais originalmente seu: evoca a fé de nosso povo desde os tempos mais remotos.

O belíssimo monumento ao Cristo Redentor, uma das sete maravilhas do mundo moderno, Santuário Arquidiocesano, em cujo interior foi entronizada a imagem da Virgem Aparecida, é um dos nossos símbolos mais emblemáticos e conhecidos. A ideia de sua construção remonta a tempos bem mais antigos. Já nos tempos do Império, a Princesa Isabel, na época da assinatura da Lei Áurea, diante da homenagem que lhe queriam prestar erigindo uma estátua como “redentora”, não aceitou o pedido, conforme o aviso de 2 de agosto de 1888, dizendo que deveriam homenagear o verdadeiro “redentor dos homens” com uma imagem ao Sagrado Coração de Jesus.

Houve também um sacerdote da Congregação da Missão, Padre Pedro Maria Boss, que escreveu um poema (1903) dizendo que o Corcovado era o pedestal criado para receber a imagem de Jesus. A obra seria executada, de fato, pelo meu predecessor, o eminente Cardeal Sebastião Leme da Silveira Cintra, a quem se devem a ideia, o concurso, os trabalhos, as opções feitas, a liderança para angariar fundos e finalmente a inauguração desse monumento ao Cristo Redentor. Ele que, irmanando não apenas à Arquidiocese da Capital da República, à época a cidade do Rio de Janeiro, mas a todo o Brasil Católico, fez por erguer aquele verdadeiro testemunho de fé e de crença do povo brasileiro.

É um monumento concebido, feito, custeado e sonhado por brasileiros, com colaborações internacionais para algumas etapas e um grande desafio para a engenharia da época. Mesmo com as dificuldades e oposições da época, foi erguido esse ícone nacional, que transcende a cidade do Rio de Janeiro e a própria Igreja para ser o sinal de uma nação. Na ocasião da inauguração, há oitenta anos, na presença do Presidente da República, do governo e de todo o corpo diplomático, Sua Eminência, o Cardeal Leme, em eloquentes palavras, poria fim à aversão existente entre o Estado Brasileiro e a Igreja, que se prolongava desde a proclamação da República, marcando uma nova fase de cooperação e ajuda mútua. Disse o Cardeal da Santa Igreja Romana, Dom Leme, que no passado sintetizou o que hoje e amanhã sempre será o monumento aniversariante:

“Cristo Impera e o Seu império é o império da paz, do amor, da misericórdia e do perdão! Aqui na terra, enluarada pela visão branca do Cristo, não há vencedores nem vencidos. Somos todos irmãos, filhos da mesma pátria, membros da mesma família. Ao gesto amoroso de Cristo, que abre os braços acolhedores a todos os brasileiros, sem distinção de classes e de crenças, deve responder o gesto patriótico do amplexo fraternal de todos os filhos e habitantes desta terra bendita. Que sob o olhar divino de Cristo estale o Brasil o beijo meigo da paz!”

“Cristo vence! E porque esta terra é sua, ela nunca será vencida pelo estrangeiro invasor, nem retalhada pela guerra civil.”

“Cristo reina! E deste reino nunca será desterrada a cruz da sua e da nossa bandeira. Já hoje seria preciso um cataclisma para fazer desmoronar a montanha escarpada que transformamos em trono perpétuo do Redentor. Seria preciso calcinar o granito do Corcovado; seria preciso calcinar o Corcovado dos nossos corações.”

“Seremos o doce império em que não há lugar para tiranias. Nem a tirania de capitalismos vorazes. Nem a tirania de demagogismos sangrentos. Nem a tirania dos potentados. Nem a tirania do povo.”

“Christus vincit, Christo regnat, Christo imperat, et Brasiliam suam ab omni malo defendat!” “Cristo vence, Cristo reina, Cristo impera, e contra todos os males defenda o Seu Brasil”.

Ao celebrarmos os 80 anos do monumento-síntese do Brasil, quero agradecer a tantos quantos, no passado como no presente, lutaram pela edificação deste sinal de nossa fé! Com o Cardeal Leme, este mínimo seu sucessor, filho da Ordem Cisterciense, que sucedendo a eminentes Cardeais que regeram esta Igreja, genuflexo diante da beleza de tudo o que significa e representa para nós o Cristo Redentor, em nome da Igreja e dos católicos da cidade, do Estado do Rio de Janeiro e de todo o Brasil. Eu novamente proclamo, com renovada fé, pedindo a proteção do Redentor para todos nós:

“Christus vincit, Christo regnat, Christo imperat, et Brasiliam suam ab omni malo defendat!”

“Cristo vence, Cristo reina, Cristo impera, e contra todos os males defenda o Seu Brasil”.

Dom Orani João Tempesta é arcebispo do Rio de Janeiro


Espiritualidade


Solenidade de Nossa Senhora de Aparecida
Por Gabriel Frade, professor de Liturgia e Sacramentos

SÃO PAULO, terça-feira, 11 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – Apresentamos o comentário à solenidade de Nossa Senhora de Aparecida, redigido pelo professor Gabriel Frade. Natural de Itaquaquecetuba (São Paulo), Gabriel Frade é leigo, casado e pai de três filhos. Graduado em Filosofia e Teologia pela Universidade Gregoriana (Roma), possui Mestrado em Liturgia pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora D’Assunção (São Paulo). Atualmente é professor de Liturgia e Sacramentos no Mosteiro de São Bento (São Paulo) e na UNISAL – Campus Pio XI. É tradutor e autor de livros e artigos na área litúrgica.

* * *

12 de outubro: Solenidade de Nossa Senhora de Aparecida

Padroeira do Brasil

Leituras: Est 5, 1b-2;7,2b-3; Sl 44; Ap 12, 1.5.13a.15-16a; Jo 2, 1-11

A história é bastante conhecida.

O conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, governador da capitania, ao fazer uma viagem para o interior, em direção à terra das Minas, passa pelo vale do Paraíba.

Ao chegar em Guaratinguetá (SP), nas cercanias da atual cidade de Aparecida, se faz necessária a preparação de um banquete para toda a comitiva. Alguns pescadores, depois de várias tentativas infrutíferas, continuam lançando suas redes no rio Paraíba do sul no afã de buscar o pescado para a mesa de sua excelência.

Puxam a rede, mas é só desilusão: não há um peixe sequer, apenas a sujeira habitual do fundo do rio. Em determinado lance, em meio à sujeira na rede, os pescadores percebem algo pequenino que lhes chamou particularmente a atenção: era o corpo de uma estátua. Via-se claramente que era a imagem de uma santa.

Por respeito, resolvem guardar o fragmento no fundo do barco envolvido num lenço. Afinal a Igreja ensinava que era preciso dar um fim adequado às imagens religiosas, mesmo quando quebradas.

Lançam as redes mais uma vez. Desta vez, fato deveras intrigante, percebem algo um pouco menor: era a cabeça da mesma estátua.

Em seguida, ao lançar as redes mais uma vez, encontram uma superabundância de peixes. Isso só podia ser um sinal dos céus: aquela estatuazinha da Virgem apareceu-lhes, eles pobres trabalhadores, para lhes conceder alguma graça e algum consolo. A estátua é prontamente recolhida e levada carinhosamente para a casa dos pescadores, onde é colocada num pequeno oratório, tornando-se o centro do afeto das famílias daquela localidade.

Depois de tantos anos, a estátua enegrecida pelo fumo de tantas velas acendidas pelos devotos, se tornará nacionalmente conhecida pelo nome ligado ao evento de sua origem: Nossa Senhora de Aparecida.

Em linhas gerais, esta é a história dos inícios e que foi contada de geração em geração.

Algo semelhante havia ocorrido alguns séculos antes no México: lá, a Virgem aparece também a um pobre índio, e sua aparição, conhecida como Nossa Senhora de Guadalupe, está marcada por elementos que dialogaram profundamente com a cultura indígena, oprimida pela colonização de então.

Curiosamente, também o fato da aparição da Imaculada Conceição Aparecida, trará consigo elementos que dialogaram com as várias culturas presentes no Brasil de ontem e de hoje.

Da mesma forma como a mãe amorosa que tem muitos filhos, e deve lidar com a índole de cada um de forma diferenciada, no Brasil, a Virgem de Aparecida se mostrará ao seu povo com características tais, que cada cultura que compôs inicialmente o povo brasileiro provavelmente pôde enxergar elementos de identificação próprios, encontrando um particular consolo maternal na Virgem.

Nesse sentido, ao pensarmos na sociedade colonial, talvez os negros escravos encontrassem na Virgem negra uma consolação e uma proximidade tal, que só uma mãe negra poderia oferecer. Os índios, por outro lado, talvez vissem nessa Mãe surgida das águas do rio, uma linguagem evocativa de seus grandes mitos, como aquele de Iara, a Senhora d’água. Os brancos portugueses viam provavelmente nessa Senhora também a figura de suas mães brancas, presas numa pátria longínqua.

Dessas percepções particulares, se fez mais fácil a compreensão de Maria, a Mãe do Senhor e nossa Mãe.

Desde sua aparição, no início do século XVIII, Nossa Senhora de Aparecida continua consolando seu povo e intercedendo junto a Deus por nós: “Se ganhei as tuas boas graças, ó rei, e se for de teu agrado, concede-me a vida – eis o meu pedido! – e a vida do meu povo – eis o meu desejo!” (primeira leitura).

Assim como a estátua encontrada no fundo do rio, a segunda leitura do livro do Apocalipse, nos traz a imagem da mulher que está para ser submersa por um rio de água vomitado por uma serpente (v. 15). Essa imagem nos lembra como há sempre a possibilidade de algo querer submergir a mulher, imagem da Igreja, por causa do menino ao qual ela trazia no ventre e ao qual dera à luz.

Analogamente, assim como a terra veio em socorro da mulher (v. 16a), a estátua da Virgem está hoje conservada na basílica nacional de Aparecida, construída no alto de um morro, onde todos os seus filhos podem desfrutar de sua consolação maternal; encontrando aí, por meio de sua intercessão, a alegria da vida.

De fato, é o que encontramos no Evangelho do dia: pela intercessão da Mãe, a água, símbolo de nossa vida oprimida pelo pecado, torna-se vinho fino, símbolo inebriante da alegria da vida eterna concedida a nós gratuitamente pelo Cristo Senhor.

Aqui queremos lembrar do artista sacro Cláudio Pastro, que com sua vida e seus trabalhos artísticos – especialmente na casa da Mãe Aparecida – nos brindou com a alegria da beleza, ajudando-nos a compreender o mistério de amor de um Deus, beleza por excelência, que se inclina até a humanidade, obra de suas mãos, e “se encanta com a sua beleza” (cf. Salmo responsorial).

Hoje, no dia de nossa Mãe Aparecida, enquanto pai e professor, me permito lembrar particularmente de todas as famílias, de todas as crianças e de meus queridos alunos de teologia: para que ao olharmos o exemplo de nossa Mãe, possamos todos aprender a amar e a servir ao bem maior.

Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.