Missa em ação de graças pela beatificação de CARLOS d´ÁUSTRIA IMPERADOR DA PAZ

O Bem-Aventurado em trajes de Grão-Mestre da Ordem do Tosão de Ouro (quadro da col. da GEBETSLIGA)

A primeira Missa em Ação de Graças pela Beatificação de CARLOS d´ÁUSTRIA IMPERADOR DA PAZ no Brasil ocorreu na antiga Catedral Imperial, no Rio de Janeiro.

Celebrada pelo Revmo. Senhor Pe. Sérgio Costa-Couto, Juiz do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese do RJ e Capelão da Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro e co-celebrada pelos Revmos. Monsenhor Vital Brandão Cavalcanti, Pároco do Sagrado Coração de Jesus e Pe. Eugênio de Sena Monteiro, Vigário em Santa Cruz, a Missa foi musicada pelo Coral OPUS, da Basílica de Nossa Senhora de Lourdes (Vila Isabel).

No mesmo templo católico onde foram coroados e sagrados nossos Imperadores e batizados e casados os Príncipes do Brasil durante o Império, o IDII celebrou a memória do trineto de D. Pedro I e primo-sobrinho-neto da REDENTORA que foi beatificado pelo Papa João Paulo II em 3 de outubro de 2004.

No início da cerimônia, foi lida uma breve introdução do Instituto, elucidando os motivos pelos quais tivemos a iniciativa da homenagem ao Bem-Aventurado, que dizia o seguinte:

Missa em Ação de Graças pela Beatificação de CARLOS d´ÁUSTRIA IMPERADOR DA PAZ, Chefe da gloriosa Casa de Habsburgo-Lorena, falecido em 1º de abril de 1922, no exílio, na Ilha da Madeira e beatificado por Sua Santidade o Papa João Paulo II no último dia 3 de outubro, em Roma.

O Imperador KARL I da Áustria / Rei KAROLY IV da Hungria / Rei KAREL III da Bohêmia, monarca ainda de inúmeros outros países, foi um exemplo inconteste de amante da PAZ. Suas tentativas frustradas do término da I Guerra Mundial teriam evitado, se lograssem êxito, segundo algumas correntes historiográficas, o período tumultuado e tenebroso que antecedeu a II Guerra Mundial.

O fim das Monarquias germânicas representou, sem sombra de dúvidas, o desmoronamento de uma antiga ordem européia que, se não era geradora de Paz, evitava em muito a beligerância.

Esse estado de coisas refletia, em grande parte, a permanência de valores ancestrais cristãos arraigados na mentalidade dos homens e mulheres, de todas as classes, que habitavam os grandes Impérios europeus: o Russo, o Austro-Húngaro e o Alemão.

O fim desses sistemas gerou conflitos de ordem avassaladora, proporcionando o estabelecimento do stalinismo, do nazismo e do fascismo e suas terríveis conseqüências.

Em 3 de outubro último, a Santa Igreja tornou público o seu reconhecimento de que CARLOS d´AUSTRIA foi um empenhado defensor do Cristianismo, reconhecendo nele mesmo virtudes heróicas e beatitude.

Rezemos para que os atuais governantes austríacos, húngaros, tchecos, eslovacos, croatas, eslovenos etc, saibam conduzir com sabedoria, prudência e CARIDADE os seus povos. E para que o BRASIL, país onde nunca esteve o Bem-Aventurado Carlos, mas onde reinou seu trisavô DOM PEDRO I — que foi coroado nesta Igreja — e onde foi impedida de reinar sua prima-tia, D. Isabel a Redentora, possa ser agraciado com homens e mulheres de FÉ cristã verdadeira em suas Políticas Nacional, Estaduais e Municipais.

Representando a Família Imperial brasileira, estiveram presentes o Príncipe D. Fernando Diniz de Orleans-e-Bragança e sua esposa, D. Maria da Graça, e a filha primogênita do Casal, D. Isabel Maria Eleonora.

O Senhor Cônsul-Geral da Áustria no Rio de Janeiro, Dr. Rudolf Lenhart, e a Senhora Karin Hahn também prestigiaram o evento, que contou ainda com a presença de um representante do Consulado húngaro.

Pe. Sérgio lembrou em sua Homilia que o novo Beato é ainda bem próximo espiritualmente do Outeiro da Glória, onde a bisavó dele, D. Maria da Glória (D. Maria II de Portugal), foi batizada em 1819. Citou passagens da vida do Bem-Aventurado e sua esposa, a célebre Imperatriz Zita; aludiu ao cerimonial fúnebre dos Imperadores da Casa d´Áustria, que prescrevia pompa e fausto, ao mesmo tempo que salientava a condição de PECADOR do monarca defunto.

Terminada a Missa, os Príncipes receberam os cumprimentos, ao lado do quadro do Bem-Aventurado Carlos e em companhia dos Senhores Cônsules e da Condessa Olga Csàky von Körösszeg und Adórjan, a qual, juntamente com o esposo, Prof. Dr. Sebastião Leite Abreu Perlingeiro, é Conselheira do IDII.

O IDII distribuiu um folheto da Missa, contendo as palavras de Sua Santidade o Papa na Homilia da Missa de Beatificação. Conforme se segue:

O dever decisivo do cristão consiste em buscar sempre a realização da vontade de Deus, reconhecendo-a e seguindo-a. O homem de Estado e cristão Carlos d´Áustria se fixou cotidianamente nesse desafio. Ele era um amigo da Paz. Aos seus olhos, a guerra parecia “uma coisa horrível”. Entronizado em plena tormenta da I Guerra Mundial, ele tentou promover a iniciativa de paz de meu predecessor, Bento XV.

Desde o início, o Imperador Carlos concebeu sua função como um serviço sagrado aos seus súditos. Sua principal preocupação era a de seguir a vocação do cristão à santidade, mesmo em sua ação política. É por esta razão que a assistência social teve uma tal importância aos seus olhos.

Que ele seja sempre um exemplo para nós todos, em particular para aqueles que detêm hoje as responsabilidades políticas na Europa.

João Paulo Pp. II
Praça de São Pedro
3 de outubro de 2004

FOTOGRAFIAS REALIZADAS PELO
SENHOR LEANDRO MARINS,
AOS SERVIÇOS DO INSTITUTO D. ISABEL I

A Guarada de Honra (Batalhão do Imperador – 1º BG), perfilada na nave do templo, aguarda a entrada da Família Imperial.

A família do Príncipe D. Fernando chega à Igreja do Carmo da Antiga Sé.

Os Príncipes aguardam o início da Missa, no Altar-Mor.

A Vice-Presidente de Operações do IDII, Lêda Machado, ao lado do Maestro Riocardo Rocha e tendo atrás o Vice-Presidente do IDII e Pres. da FIRJAN-Região Serrana, Prof. Gastão Reis Rodrigues-Pereira, que teve de se ausentar devido à posse da nova diretoria da FIRJAN, no mesmo horário.

Após a chegada dos Sacerdotes, inicia-se a Santa Missa.

Visão panorâmica de uma cena da cerimônia.

Mons. Vital e Pe. Sérgio numa das Orações do início da celebração.

O Presidente do IDII, Prof. Otto de Alencar de Sá-Pereira, faz a I Leitura.

A Senhora Lêda Machado lê o Salmo Responsorial.

Mosn. Vital se prepara para incensar o Santo Evangelho.

Mons. Vital lê o Evangelho.

Pe. Sérgio faz sua Homilia.

Início da Consagração das Espécies.

Pe. Eugênio fazendo uma das orações da Consagração.

Momento da Oração do PAI-NOSSO.

Mons. Vital saúda com a PAZ DE CRISTO a jovem Princesa D. Isabel Eleonora, trineta homônima da REDENTORA.

D. Fernando Diniz cumprimenta a Senhora Lêda Machado.

Pe. Eugênio cumprimenta as Princesas.

O Representante do IDII em S. Maria Magdalena (RJ), Senhor Heitor Buchaul, na fila de comunhão.

O Secretário do IDII, Prof. Bruno de Cerqueira, comunga.

Ao término da solenidade, posam (esq. p/ dir.): D. Fernando; Prof. Dalmiro da Motta Buys de Barros, Presidente do Colégio Brasileiro de Genealogia; D. Isabel Eleonora; Prof. Otto de Sá Pereira; Pe. Eugênio com a imagem do Bem-Aventurado; Cônsul Rudolf Lenhart e Senhora Karin Hahn; Condessa Olga Csàky e D. Maria da Graça.

Em outra cena, vêem-se (esq. p/ dir.): D. Isabel Eleonora; D. Fernando; Lêda Machado; Bruno de Cerqueira; D. Maria da Graça e Pe. Sérgio Costa-Couto

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.