100 anos da Coroação da Imagem da Padroeira do Brasil no Santuário Nacional de Aparecida do Norte, interior de São Paulo

CENTENÁRIO DA COROAÇÃO DA PADROEIRA DO BRASIL,
NOSSA SENHORA DA IMACULADA CONCEIÇÃO APARECIDA

7 e 8 de SETEMBRO de 1904 – A Imagem da Virgem Maria Mãe de Deus aparecida das águas do Rio Paraíba do Sul, na antiga Província de São Paulo, em outubro de 1717, constitui um Patrimônio da Humanidade.

Símbolo da garra de um povo sofrido, porém tenaz e perseverante, NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA tornou-se a Padroeira e Rainha do Brasil, oficialmente, em 16 de julho de 1930, sob as ordens do Papa Pio XI.

A Imagem teve, desde os primórdios, um culto popular vastíssimo, mas estendeu-se consideravalmente também entre os representantes das classes dirigentes. Foi assim que o Príncipe Regente D. Pedro de Alcantara visitou sua Capela em agosto de 1822 e, prostrado perante ela, prometeu que Lhe consagraria o BRASIL após a pacificação de nosso território e os defechos da Independência.

Sendo o 12 de OUTUBRO sua data natalícia e aquela em que ele foi aclamado IMPERADOR CONSTITUCIONAL DO BRASIL, D. Pedro I dedicou este dia á Virgem Mãe do Brasil, o que somente mais de 150 anos depois viria a se tornar um Feriado Nacional oficializado pela República.

O Casal Imperial D. Pedro II e D. Teresa Cristina visitaram a Igreja de Nossa Senhora Aparecida todas as vezes que se dirigiram à capital paulista, fazendo a tradicional parada nas ricas fazendas de Guarantiguetá, onde os hospedavam as famílias nobres da região.

Por fim, coube a D. Isabel a Redentora, a mais devota dos Soberanos brasileiros até os dias de hoje, render as maiores homenagens à Mãe Celeste do Brasil. Estando casada com D. Gastão há mais de quatro anos e não tendo ainda filhos, foi a piíssima Princesa Imperial visitar o Santuário de Aparecida do Norte em 1868, e rezou perante a Imagem Sagrada, rogando a graça de um herdeiro para o trono. Levou então um MANTO ricamente ornamentado com 21 brilhantes, representativos das Províncias do Império.

Deus atenderia a suas preces somente seis anos depois, quando ela engravidou do primeiro filho, que nasceu morto, a Princesa do Grão-Pará, D. Luiza Victoria. No ano seguinte (1875), D. Isabel deu novamente á luz uma imperial criança, num parto de grandes dificuldades, dessa vez fazendo vir ao mundo seu tão esperado herdeiro, D. Pedro de Alcantara, no dia 15 de outubro, exatamente quando comemorava 11 anos de feliz consórcio com o Conde d´Eu.

Em 1884, já pais de três principesinhos belos e saudáveis, foram os Príncipes Imperiais visitar oficialmente Aparecida do Norte, levando para a gloriosa Imagem a COROA de ouro e brilhantes que até hoje figura na Imagem e com a qual ela foi solenemente coroada RAINHA DO BRASIL em 1904.

Como prova de devoção filial Aquela que lhe proporcionou a bênção de filhos e herdeiros, D. Isabel I continou trabalhando ativamente pelo engrandecimento de seu culto e o reconhecimento dessa primazia pelas autoridades vaticanas, enquanto vivia o amargo desterro na França (1891-1921), como nossa Imperatriz exilada.

Seu filho mais velho, D. Pedro de Alcantara (*1875 †1940), o único sobrevivente da Família Imperial que havia sido banida em 1889, visitou o Santuário Nacional em fins da década de 30, em companhia de sua esposa e alguns filhos.

7 e 8 de SETEMBRO de 2004 – Hoje, passados mais de 130 anos da primeira visita de D. ISABEL, seus descendentes continuam firmemente dispostos a manter os vínculos com o Santuário Nacional. O bisneto D. João Henrique de Orleans-e-Bragança (*1954), foi um dos membros do júri que escolheu o modelo vencedor do Concurso Nacional de Desenho para a nova Coroa da Virgem Aparecida, realizado entre 2003 e 2004.

Para Aparecida do Norte, neste abençoado Centenário, rumaram também a trineta homônima da REDENTORA, D. Isabel Eleonora de Orleans-e-Bragança (*1978) e sua mãe, D. Maria da Graça de Orleans-e-Bragança, acompanhadas do Presidente do IDII, Prof. Otto de Sá-Pereira, da Conselheira Profª. Maria de Lourdes Lamonica e do Secretário Prof. Bruno de Cerqueira – todos gentilemente convidados pelo Administrador do Santuário Nacional de Aparecida, Pe. Darci José Nicioli CSsR, um dos religiosos da Ordem dos Redentoristas, guardiã de todo o Santuário.

FOTOS

Durante o jantar no MARGE HOTEL, na noite de 7 de setembro,
confraternizam (da esq. p/ a dir.): Senhor Tom Maia, Prof. Otto,
D. João Henrique, D. Maria da Graça, D. Isabel Eleonora,
Prof. Bruno e Senhora Thereza Regina de Barros Camargo Maia,
Diretora do Museu Beato Frei Galvão (Guaratinguetá)
(Foto ML Lamonica)

FOTOGRAFIAS CEDIDAS PELO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO & MEMÓRIA
DO SANTUÁRIO NACIONAL DE APARECIDA AO INSTITUTO D. ISABEL I

7 de SETEMBRO de 2004

Panorama da festiva noite de 7 de setembro de 2004:
a Praça Nossa Senhora Aparecida, onde se encontra a
Basílica Velha, está amplamente enfeitada e ambientada
para o Centenário da Coroação.

Como parte final do espetáculo que encenava a belíssima história da
Imagem da Virgem Imaculada Aparecida, uma atriz representa
D. ISABEL, no momento em que doou a
Nossa Senhora Sua Coroa de ouro e diamantes.

8 de SETEMBRO de 2004

O recém-empossado Arcebispo Metropolitano de Aparecida,
D. Raymundo Damasceno Assis, dá as boas-vindas a todos
os irmãos no início da Missa, que será presidida pelo
Legado Pontifíco (representante do Papa),
o Cardeal D. Eugenio de Araújo Salles,
Arcebispo Emérito de São Sebastião do Rio de Janeiro

O Arcebispo D. Raymundo Damasceno Assis (esq.) e o
o Cardeal D. Eugenio de Araújo Salles (dir.) coroam
NOSSA SENHORA APARECIDA, RAINHA e PADROEIRA DO BRASIL,
com sua nova Coroa, desenhada por Lena Garrido e Debora Camisasca.
A antiga Coroa passará por um delicado processo de restauração
e será usada nas solenidades de maior amplitude.

O Cardeal D. Eugenio se dirige à Imagem, para incensá-la.

O Legado Pontifício e os demais Bispos
co-celebrantes consagram a Hóstia.

O Senhor Ministro de Estado do Desenvolvimento Social,
Dr. Patrus Ananias, representando oficialmente o
Presidente Luiz Ignácio Lula da Silva,
discursa após o término da Santa Missa,
abordando mormente a Doutrina Social da Igreja.

Após a solenidade, posam p/ a foto o
Senhor Arcebispo D. Raymundo Damasceno e os Príncipes
D. João Henrique, D. Maria da Graça e D. Isabel Eleonora,
juntamente com o Prof. Otto de Sá Pereira e o Prof. Bruno de Cerqueira

Em oportunidade gravada pela Profª. Lourdes Lamonica, posam o
Senhor Ministro de Desenvolvimento Social, Dr. Patrus Ananias,
as Princesas D. Maria da Graça e D. Isabel Eleonora e
o Presidente e o Secretário do IDII
(Foto ML Lamonica)

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.